Cultura Surda e o Respeito a Diversidade!

1


A diversidade surda só é SURDA, quando não deixamos ninguém para trás

diversidade surda

Cultura Surda, mudou a minha vida!

Pode parecer obvio, mas não é! Existe ainda muita desinformação, e muitos ESPECIALISTAS por aí, achando que entende tudo sobre os NÓS SURDOS.

Não adianta negar, é preciso uma IMERSÃO no mundo dos Surdos, para que se tenha a compreensão de sua cultura e por isso é Surdo com “S” maiúsculo.

Eu não quero aqui falar sobre clinicamente surdos, quero falar sobre culturalmente Surdos, e a cultura interfere na consciência, vontade e ação dos indivíduos e modela a personalidade humana e do grupo inserido. Quem se permite viver a cultura Surda, sabe que ela permanece sendo negada, havendo sempre intenção de sobreposição por parte dos ouvintes.

A questão é que as nossas diferenças são a nossa força enquanto espécie e enquanto comunidade mundial.

CONHECENDO E SE RECONHECENDO

Sempre estou pelas redes sociais e encontrei um casal muito divertido que me chamou atenção. E de cara pensei “mais uma ouvinte, que apresenta surdez, mas não parece ser surda”

Atenção – SURDO não tem que parecer com nada, mas como estamos falando aqui sobre a cultura, quero falar de alguém que tem bastante coisa em comum comigo.

Estou falando de Viviane Marques de Araújo, conhecida como VIVI, mulher linda por dentro e por fora, que sempre nos encanta e nos faz rir nas redes sociais com seu jeito SINCERICÍDIO de ser.

Vivi, nasceu ouvinte e sempre teve excelente audição, vem de família de músicos, aos oito anos de idade já sabia tocar violão perfeitamente, nunca tive nenhum problema de audição.  Aos trinta e nove, tive perda súbita de audição. ACORDEI SURDA.

OTOSCLEROSE

Igualmente à muitos outros, inclusive estima-se que quase 10% da população adulta tenham algum sintoma de OTOSCLEROSE, doença em que o crescimento anormal dos ossos do ouvido imobiliza o estribo, provocando a surdez e com ela não foi diferente, colecionou exames até chegar em seu diagnóstico – OTOSCLEROSE, hoje tem perda severa e caminha para a profunda e a doença é gradativa.

Em um dos exames de audiometria, Viviane descobriu que a pista visual da leitura labial já fazia parte da sua rotina diária, para nós Surdos é muito normal olhar nos lábios quando outras pessoas falam, e quando nos exercícios a fonoaudióloga cobriu a boca, e pediu que ela repetisse, o nó na garganta, o choro veio e Viviane tomou um susto, e caiu em si, que realmente estava surda.

São muitas informações desencontradas neste momento, inclusive conosco mesmo são muitas dúvidas rodam a nossa cabeça “E se eu perder a voz? ”, e então Viviane queria continuar sua comunicação e procurou a LIBRAS.

Fiz um apelo na internet para que alguém pudesse me ensinar a Libras

Três professores se sensibilizaram, um do Rio de Janeiro, outro de Pernambuco e o outro do Rio Grande do Sul, e começaram a ensinar a Vivi, mas o destino com a surdez reservava coisas boas, e o instrutor que não resistiu ao seu chame, foi para Minas Gerais casar com ela.

A diversidade surda só é SURDA, quando não deixamos ninguém para trás!!!

Cultura Surda e o Respeito a Diversidade! 1
#PraCegoVer Foto Marido da Viviane, Luciano Batista dos Santos com sorrido largo, veste camiseta preta com o logo acessível em libras, está com a cabeça encostada na cabeça dela, que também sorri, Vivi, tem os cabelos lisos até o ombro veste camisa branca, eles estão sentados, dentro de um ônibus. Fim da Descrição.

NOSSAS DIFERENÇAS

Como disse brilhantemente Nelson Mandela “As nossas diferenças são a nossa força enquanto espécie e enquanto comunidade mundial”, somos diferentes e o mundo fica melhor assim, quando as pessoas entendem isso, aceitar o outro requer muita empatia e na Comunidade Surda é assim, quanto mais sabemos sobre nossos amigos Surdos, mais fazemos da nossa Comunidade mais inclusiva e justa.

“Eu defendo tanto meus amigos Surdos, gosto tanto deles, que quando estamos juntos eu tiro meus aparelhos”

MERCADO DE TRABALHO

Os profissionais Surdos enfrentam diversas dificuldades no mercado de trabalho devido ao despreparo das empresas em nos receber.

Nós ficamos a margem das empresas e desfrutamos de poucas oportunidades de crescimento profissional, infelizmente as empresas optam por outros tipos de deficiências para cumprir a Lei Brasileira de Inclusão, pois consideram inviável a comunicação com um Surdo, além disso, outra grande limitação é o diálogo com os integrantes da mesma equipe.

Com Viviane não foi diferente, com formação na área de Recursos Humanos, precisou se adaptar em outra área com menos comunicação, pois percebeu que seu rendimento profissional já não tinha a mesma qualidade.

“Você não serve mais, talvez consiga embalar compras de supermercado” – disse meu patrão

PRECONCEITO

Apesar de toda uma luta para que nós surdos, pudéssemos ingressar no mercado de trabalho, ainda existem opiniões que não condizem com a realidade.

Muitos acreditam que um surdo não possui a capacidade de desenvolver o seu trabalho de forma correta, exatamente com uma pessoa sem deficiência, opinião retrograda e preconceituosa, pois podemos e somos capazes para executar qualquer tarefa igualmente ou melhor.

As empresas precisam realizar adaptações no ambiente de trabalho para receber uma pessoa que possua qualquer deficiência, principalmente a surdez. É preciso conhecer a DIVERSIDADE da surdez e saber que existem surdos oralizados, alfabetizados, que utilizam tecnologia ou não e está tudo bem. SOMOS TODOS CAPAZES.

“Opto também pela comunicação em LIBRAS, porque considero que LIBRAS é a revelação do amor de Deus nas mãos das pessoas, é minha forma de ser livre e completa, consigo ouvir pelas mãos”

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente matéria,a Vivi é uma pessoa muito especial e esclarecida que aceitou sua personalidade de surda híbrida com muita consciência da importância do seu papel na comunidade surda e que verdadeiramente tem lutado por uma sociedade que pratique a acessibilidade como direito de todos. Parabéns ao repórter pela capacidade de fazer uma leitura da sua personalidade de maneira tão fiel, e parabéns a Vivi e ao Luciano pela interação tão leve e divertida na abordagem deste assunto tão sério.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui